SOBRE O AUTOR

Raul Alves Calane da Silva (Lourenço Marques, 20 de Outubro de 1945 — Maputo, 29 de Janeiro de 2021) foi um poeta, escritor e jornalista moçambicano. Marcou a vida cultural moçambicana no último meio século e viveu as grandezas e as tragédias do seu país.
Atento ao mundo, homem de múltiplos saberes, tendo integrado, ainda antes do 25 de Abril, em 1971, a redacção da recém-criada revista Tempo, dirigida pelo jornalista Rui Cartaxana (1929 – 2009).
Em 1985 coordenou o suplemento Gazeta das Artes e Letras desta revista, tendo uma acção importante na divulgação de jovens escritores moçambicanos e, dois anos depois, passou ai chefiar a redacção da Televisão Experimental de Moçambique.’

  • ANTROPOLOGIA ESPIRITUAL HÁ MAIS VIDA PARA ALÉM DESTA VIDA

    SINOPSE

    Falar da vida para além da vida corporal,falar desta possibilidade maravilhosa de sabermos que a vida não acaba com a morte do nosso corpo, que somos seres espirituais que habitamos uma casa biológica plena de energia, não é novo nem novidade para muita gente aqui em Moçambique e, obviamente, no mundo. As interpretações e conhecimentos sobre essa realidade é que diferem.

    Esta obra aborda varias questões relacionadas com aquilo que o autor considera e designa ser uma Antropologia Espiritual. Efectivamente, sendo o Homem um ser dual, corpo e espírito/alma, a antropologia tem deixado de lado o estudo e investigação sobre o(s) espírito(s) que somos, facto de uma importância inquestionável para se ter uma ideia mais consentânea, completa e verdadeira sobre a realidade do Ser Humano.

    600,00 MT
  • RICARDO RANGEL Insubmisso e generoso

    SINOPSE

    O livro contém 18 das mais célebres fotografias de Ricardo Rangel. Vem ainda com 4 retratos seus (um de Rogério, outro de José Cabral, e dois não creditados). E ainda com várias reproduções de fotos suas, referidas nos textos.

    Integra três textos apresentados num colóquio que foi dedicado ao fotógrafo em 2012: de José Mota Lopes, “Ricardo Rangel nos textos dos seus contemporâneos”; de Nelson Saúte “Ricardo Rangel: nome tutelar e inspirador do foto-jornalismo de Moçambique”; de Drew Thompson “A iconicidade de Ricardo Rangel e a escrita da história em Moçambique”. E ainda os textos de Patrícia Hayes “Pão Nosso de Cada Noite: as mulheres e a cidade nas fotografias de Ricardo Rangel de Lourenço Marques, Moçambique (1950-60)” e de Luís Bernardo Honwana “Na morte de Ricardo Rangel” – este recuperando a vertente cultural (jazzística) do fotógrafo.

    900,00 MT